Exemplificando a Triunidade de Deus

quarta-feira, 1 de agosto de 2018


 O que é a Triunidade de Deus? Uso a expressão triunidade por achar que esta é a mais adequada e mais fiel ao sentido que ela expressa. A palavra trindade significa: "grupo de três pessoas ou coisas semelhantes; trio". Já a palavra triunidade é a junção de tri (três) e unidade, ou seja, uma unidade em três! Então, por esse sentido, prefiro usar a expressão Triunidade, ao invés de Trindade, embora ambas representem a mesma coisa.

 Pai: Conhecido também como Jah, Yaweh, Jeová, Pai, e outros.
É o principal agente criador.

 Filho: Conhecido também como Jesus, Yeshua, Senhor, e outros.
É o principal agente redentor.

 Espírito Santo: Conhecido também como Ruach Hakodesh, Paracletos, Consolador, etc.
O Espírito Santo é o principal agente santificador.

 Em cada tarefa dessas (criação, redenção e santificação) uma das Três Pessoas foi o principal executor, mas as outras duas Pessoas também participaram de cada uma dessas três tarefas.

 Como explicar a Triunidade?
Existem diversos elementos na natureza que podem ilustrar a natureza triuna de Deus.

 Trevo de três folhas:

 Cada uma das folhas do trevo são independentes entre si, mas todas ligadas ao trevo. São três folhas, porém um só trevo. Um trevo de três folhas é, ao mesmo tempo, três folhas independentes entre si.

 Triângulo:

 Tem três lados distintos, mas é um só triângulo. O triângulo equilátero tem os três lados iguais. No caso do triângulo retângulo, os dois lados menores são chamados de cateto oposto, cateto adjacente, e o lado maior de hipotenusa. Ou seja, são três lados distintos, com nomes diferentes, mas formando um só triângulo. Tire um dos lados e a figura deixará de ser um triângulo.

 Água:

 Esse exemplo é o mais clássico de todos. A água pode se apresentar de três estados físicos diferentes: sólido, líquido e gasoso. O sólido (gelo) é a água, o líquido é a água, e o gasoso também é a água, mas não formam três águas, e sim três formas de um mesmo elemento. Os três estados é uma só água (H2O). Assim como não cremos em três Deuses, mas em três Pessoas que são Um só Deus.

 Sol:

 O Sol é visto e/ou sentido de três formas diferentes. Luz (visível e invisível), Gases e Calor. Vemos e somos atingidos pela luz do sol, sentimos o calor emanado por ele, e sabemos que nele existe a formação de gases. Mas esses três fatores não são mais de um Sol, e sim três formas de se perceber a presença de um só Sol.

 Assim é Deus. Pai, Filho e Espírito Santo não são mais de um Deus, mas Três Pessoas distintas que formam um único Deus, Todo-Poderoso.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã
.

Os Dons do Espírito Santo

segunda-feira, 4 de junho de 2018



Os Dons do Espírito Santo são capacidades espirituais que Deus concede com o propósito de edificar a Igreja de Cristo, por meio da instrução dos crentes e para ganhar novos convertidos. Os dons espirituais são também meios pelos quais o Espírito revela o poder e a sabedoria de Deus aos homens que o recebem e bem usam.

A palavra "dom" vem do grego charisma, que denota algo como "aquilo que é dado graciosamente". Como o batismo no Espírito Santo é um dom, assim também os dons espirituais são dádivas. Não existe uma lista completa dos dons, pois existem inúmeros dons, os que eu descrevi aqui são os mais conhecidos.

Dons Vocacionais (Romanos 12: 6, 8):

1. Ministério: É a disposição, capacidade e poder dados por Deus, para alguém servir a outras pessoas e prestar assistência prática a outros membros e aos líderes da igreja, a fim de ajudá-los a cumprir suas responsabilidades para com Deus (At 6: 2, 3).

2. Ensino: É a capacidade espiritual do crente de examinar e estudar a Palavra de Deus, e de esclarecer, expor, defender e proclamar as verdades bíblicas, de tal maneira que outras pessoas cresçam em graça e no conhecimento de Deus.

3. Exortação: É a capacidade dada por Deus do crente proclamar a Palavra de tal maneira que ela atinja o coração, a consciência e a vontade dos ouvintes, estimulando a fé e produzindo uma separação de todo o pecado. Portanto, é aconselhar, animar e encorajar.

4. Contribuição: Dividir, distribuir, repartir. É a capacidade e o poder dado por Deus para aqueles que tem recursos além das suas necessidades básicas da vida, para contribuir livremente com seus bens pessoais, para suprir a necessidade da obra ou do povo de Deus.

5. Liderança: Aquele que dirige e/ou preside. Capacidade dada por Deus para o obreiro pastorear, conduzir e administrar as várias atividades da igreja, visando o bem espiritual de todos.

6. Misericórdia: Sentimento doloroso causado pela miséria de outro. É ajudar, consolar e se compadecer das aflições e necessidades de outras pessoas.

7. Celibato (I Co 7: 7, 9): É a continência, abstinência sexual; são as pessoas que são realizadas e felizes com seu trabalho, amigos, família, lazer... Algumas profissões exigem mesmo que o indivíduo seja solteiro, livre das responsabilidades que o casamento e a família impõem, por isso Deus dá o dom do celibato. Para ilustrar essa ideia, o que será que aconteceria se o apóstolo Paulo fosse casado ou tivesse preocupações com sua esposa? Se esse fosse o caso de Paulo, isso iria limitar de alguma forma a sua liberdade de viajar pelo mundo pregando o Evangelho. O próprio Paulo diz que "o solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar o Senhor; mas o casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a mulher..." I Co 7: 32, 34.

Dons Ministeriais (Efésios 4: 11):

8. Apóstolos: O dom do apostolado não é mais dado por Deus aos homens, ainda que se levantem pessoas que se auto-proclamem apóstolos. O dom do apostolado era dado por Deus para alguns daqueles que tinham andado com Jesus antes de Sua morte, como os 12 apóstolos primitivos, ou terem visto Ele após a ressurreição, como no caso de Paulo. Além desses já citados, alguns outros também foram considerados apóstolos, como: Matias, que substituiu Judas Iscariotes, Barnabé e Silvano, entre outros. O próprio Deus deu-lhes o selo do apostolado, pois foi Ele mesmo quem os escolheu, permitindo que no ministério deles aparecessem os "sinais do apostolado" (II Co 12: 12).

9. Profetas: Segundo o livro de Atos (13: 1 e 15: 32), os profetas constituíam o ministério da Palavra de Deus, impulsionado por inspiração profética. Por meio dessa inspiração, esse ministério é acompanhado de edificação, exortação e consolação, que são evidências da operação do verdadeiro espírito da profecia (I Co 14: 3). Observamos, assim, que o simples uso do dom de profecia não faz de ninguém um profeta, pois profeta é um ministro da Palavra (At 21: 9, 10).

10. Evangelistas: Mensageiro de Boas Novas. O evangelista desempenha a obra de um missionário, levando o Evangelho a lugares onde ainda é desconhecido. A função do evangelista em primeiro lugar não é a de apascentar. Porém, quando abre trabalhos, ele os dirige e apascenta até entregá-los a um pastor, mas pode acontecer de uma mesma pessoa possuir mais de um dom ministerial.

11. Pastores:  Homens que apascentam e dirigem o rebanho. Serve sob a direção do Bom Pastor, a quem pertence a Igreja (I Pd 5: 2, 4).

12. Doutores: Os doutores ou mestres são os ensinadores (I Co 12: 28). No tempo dos apóstolos, esse ministério era apoiado pelos dons da palavra de sabedoria e ciência.

Dons Espirituais (I Coríntios 12: 8 - 10):

13. Palavra de Sabedoria: Esse dom proporciona, pela operação do Espírito Santo, uma compreensão da profundidade da sabedoria de Deus, ensinando a aplicá-la, seja no trabalho, seja as decisões no serviço do Senhor, e a expô-la a outros, de modo a ser bem entendida.

14. Palavra de Conhecimento: Esse dom consiste em penetração nas profundezas da ciência de Deus, pelo qual podemos saber e, assim, compreender aquilo que, pelo entendimento humano, jamais poderíamos alcançar. Enquanto do dom da palavra de conhecimento penetra nas profundezas da ciência de Deus, o dom da palavra de sabedoria nos faz aptos a expô-la com palavras que o Espírito Santo ensina.

15. Discernimento de Espíritos: O portador desse dom recebe, pelo Espírito Santo, como num laudo, o resultado de uma análise vinda de Deus sobre a qualidade exata do espírito que inspira e opera em determinadas pessoas. Esse dom revela a fonte de onde vem a inspiração das profecias e revelações, pois elas podem vir de inspiração divina, podem representar o pensamento do coração daquele que as apresenta, ou podem ser de origem demoníaca. Esse dom é uma proteção divina, pela qual a Igreja fica guardada das más influências.

Dons de Poder:

16. Curar: A cura do corpo doente pela fé é um fruto da morte de Cristo na cruz, mas o dom de curar é diferente. O dom de curar consiste em uma operação do Espírito Santo direta e imediata. Esse dom não significa uma capacidade de curar quando e como a pessoa quer, porém é sempre uma transmissão de poder do Espírito Santo.

17. Operação de Maravilhas: Esse dom constitui uma operação do Espírito Santo pela qual é transmitido poder ilimitado de Deus. Esse dom se manifestou por toda a Bíblia e ainda hoje, embora devemos ter cuidado com os atuais charlatões.

18. Fé: Esse dom não se refere a fé salvífica, mas consiste em um impulso a fé implantada por Deus em nós. Esse dom em ação gera uma atmosfera de fé, que nos dá convicção real de que agora tudo é possível (Jo 11: 40, 44; Mc 9: 23).

Dons de Inspiração (Elocução) (I Coríntios 14):

19. Variedade de Línguas e 20. Interpretação de Línguas: Sobre esses dois dons, tão debatidos hoje em dia, postei um estudo específico aqui: Dons de Línguas e Interpretação.

21. Profecia: Profecia é uma mensagem de Deus dada ao portador do dom por inspiração do Espírito Santo. A pessoa deve transmiti-la exatamente como a recebeu. A mensagem recebida não é transmitida de maneira mecânica, mas fiel e consciente, pois "os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas" (I Co 14: 32). No momento em que a profecia é transmitida, não é Deus quem está falando, mas é o homem que está reproduzindo o que recebeu de Deus. Se fosse o próprio Deus falando, não haveria necessidade de se julgar a profecia, como está ordenado que se faça (I Ts 5: 21 / I Co 14: 29). A profecia não deve ser fonte de consulta ou meio de obter direção, seja na vida espiritual, ou na vida material, como alguns charlatões andam pregando por aí.

Esses são os dons mais conhecidos, em breve postarei um estudo sobre os dons de variedade de línguas e interpretação de línguas. Espero que tenham gostado desse resumo sobre os dons.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

Dicotomia x Tricotomia

segunda-feira, 9 de abril de 2018


   Um dos assuntos que geram mais confusão nas igrejas cristãs, católicas ou protestantes, é a questão da composição do homem. Afinal, o homem é tricotômico (corpo, alma e espírito) ou dicotômico (corpo e espírito)? Para entendermos essas diferenças a luz da bíblia, devemos entender o que seriam cada uma dessas três partes:

   Corpo: É a parte material e visível do ser humano. Foi essa parte que surgiu através do pó da terra, na criação do homem no Éden. Essa parte é a mais frágil, pois sofre a ação do tempo, e de todos os fatores terrenos, além de ser mortal. Quando o corpo morre, ele está voltando a ser o que era no princípio: "E o pó volte à terra, como o era..." (Eclesiastes 12.7a).

   Espírito: É a parte invisível do homem e é a que, junto com o intelecto (faculdade do corpo) se comunica com Deus. Essa parte é imortal e não sofre a ação dos fatores terrenos, como o tempo, a fome, a sede... O corpo (intelecto) e o espírito devem estar em harmonia para adorar a Deus através do “culto racional” (Romanos 12:1). Os cristãos que conseguem adorar a Deus nessa harmonia (intelecto + espírito) são os que adoram a Deus "em espírito e em verdade" (Jo 4:20- 24). Quando o corpo morre, o espírito volta a Deus (ou para ser recompensado ou para ser julgado): "E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu." (Ec 12:7).

   Alma: Essa é a parte que muitos acabam por não entender, ou não sabem explicar bem. Para os tricotômicos, alma é a parte responsável pelo intelecto e pelas emoções humanas. Essa afirmação não é fiel a origem dessa palavra e nem ao que conhecemos sobre o ser humano. É claro e evidente que o centro das emoções humanas e do intelecto é o cérebro, ou seja, é ele quem comanda nossas ações humanas. Assim, não existe algo que comande o espírito e o corpo ao mesmo tempo. Por isso a Bíblia diz que "o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne (desejos do corpo) é fraca. (Marcos 14:38b). E o apóstolo Paulo afirma: "Porque não faço o bem que quero (presente no espírito), mas o mal que não quero (presente no corpo) esse faço". (Romanos 7:19). O espírito dos cristãos sempre gostará de fazer o bem, mas o corpo, caído após o pecado de Adão, sempre gostará de fazer o mal. Note que nesses dois versículos a ideia de alma não aparece.

A Origem da Alma:

   A palavra Alma vem do latim "anǐma", que teve a sua origem no grego "psiquê" e no hebraico "nephesh". Tanto psiquê, quanto nephesh, representam a vida que possuímos, e não uma parte de nós. Nossa vida não é uma parte de nós, mas somos nós por completo.

  Muitos afirmam que a alma é a fonte de todos os sentimentos, mas a fonte de todos os sentimentos é o cérebro. Sendo assim, minha alma é meu cérebro?

   Paulo diz haver uma luta entre a carne e o espírito, mas nada falou sobre um terceiro elemento (a alma). Os escritores bíblicos entendiam alma como vida, e não como uma parte a mais em nós. Dizer que alma é a fonte dos sentimentos é apenas forma poética. É o mesmo que dizer que o coração é a fonte dos sentimentos, e sabemos que o coração tem outras funções bem diferentes que essa.

   Os antigos diziam: "O Senhor sonda os meus rins"
   Hoje dizemos: "O Senhor sonda o meu coração".
   E o sentido real é: "O Senhor sonda o meu interior".

   Alma é a palavra que, no sentido real, significa "vida". Vemos isso claramente na frase popular: "A propaganda é a alma do negócio". A frase não significa que a propaganda é uma parte diferente dentro do negócio, mas sim que é a "vida" do negócio.

   “Como o corpo sem o espírito está morto, assim a fé sem as obras é morta” (Tg 2:25).

   E onde está a alma? Edmond Jacob afirma, sobre a alma (nephesh): “Nephesh é o termo usual para a natureza total do homem, para o que ele é e não apenas pelo que tem... Por isso a melhor tradução em muitos casos é ‘pessoa’".

   Hebreus 4:12: "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração."

   Esse versículo acima parece defender a tricotomia, mas é apenas uma forma figurada, poética até, de ensinar o poder da Palavra de Deus. Vemos isso, pois juntas e medulas não tem nada em comum. Não existe divisão de juntas e medulas, assim como divisão de alma e espírito. Ele usou uma figura de linguagem pra explicar sobre a Palavra. Talvez ele quisesse dizer: divisão da vida e do espírito, ou do espírito e da pessoa.

   Outro detalhe: coração não tem intenção nenhuma, e nem pensa, pois isso são funções do cérebro, Paulo estava usando linguagem figurada. 

   Como visto antes, a palavra "alma" é derivada das palavras: nephesh, psiqué, bios, zoe, e todas elas representa a vida. Delas se originaram palavras como: psicologia, biologia, psiquiatria... Tudo relacionado ao intelecto ou a vida. Na Bíblia, vemos essas palavras traduzidas, ora por alma, ora por outras palavras.

  Então, após essa análise, podemos afirmar que Alma é o nosso ser interior como pregam os tricotômicos? Só se ignorarmos o que a Bíblia afirma, e acreditar em pregações antropocêntricas.

   Alma, na Bíblia, é descrita como:
  
  Sangue (dos animais): um erro que leva as Testemunhas de Jeová a não doarem sangue.
  Espírito: as vezes alma e espírito são descritas como a mesma coisa.
  Rins: Achavam que os rins eram a parte mais íntima do homem.
  Coração: Como hoje ainda confundem.

  Mas em todas essas explicações, alma é uma representação do nosso interior, ou de nossa vida. Ela representa, mas NÃO É. NUNCA é descrita como uma parte separada em nós

   I Tessalonicenses 5: 23. Quando Paulo ora pelos tessalonicenses para que o "espírito, alma e corpo possam ser guardados", ele não está tentando separar o homem em três partes, mas estava falando da totalidade da santificação no homem. Devemos ser santos em nosso corpo, espírito e em nossa vida completa. Existem pessoas que procuram ser santas no corpo (vestimentas p.ex.), mas dão mal testemunho. Existem pessoas que são muito "espirituais" (fariseus modernos), mas dão mal testemunho também. Paulo diz que não basta ser santo na carne ou no espírito, mas em todo nosso ser, nossa vida (ou, nas palavras dele, nossa alma).

   Afirmar que ele dividiu o homem em três partes, é o mesmo que afirmar que Jesus dividiu o homem em QUATRO partes. Ele disse: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força" (Lc 10.27). Será que somos coração, alma, entendimento e força?

  Esta passagem, portanto, também não proporciona qualquer base para a visão tricotômica da constituição do homem. Sendo assim, baseado na origem da palavra alma (grego, hebraico e latim), e no que a Bíblia afirma sobre o homem, posso dizer que o ser humano é corpo e espírito.

Diego Rodrigo Souza
Defesa da Fé/Creio No Amanhã